Ceape²

Centro de Estudos Avançados em Proteção de Estruturas Estratégicas

Relatos envolvendo a segurança física e da informação, incluindo a cibernética, das infraestruturas críticas, em particular na área de energia, sinalizam um estado de alerta permanente e a busca constante de soluções, por intermédio de ações colaborativas e esforço conjunto entre entidades públicas e privadas, que compartilhem boas práticas e recomendações de segurança. Dessa forma, proteger as Infraestruturas Críticas contra atividades terroristas, espionagem, desastres naturais e situações de emergência vêm sendo tratado como objetivo comum entre as nações.

 

Atualmente, o Brasil conta com cerca de 13.300 estruturas consideradas estratégicas, que respondem por 92% de seu Produto Interno Bruto (Exército Brasileiro, 2012). Neste contexto, a Usina Hidrelétrica Itaipu Binacional possui comprovada relevância estratégica para o Brasil e o Paraguai ao atender suas demandas energéticas, respectivamente, em cerca de 17 e de 80 por cento.

 

Em agosto de 2013, a Itaipu, anfitriã do 1º Seminário sobre Proteção de Infraestruturas Críticas (IECFOZ 2013), coloca-se na vanguarda e formaliza a assinatura de um protocolo de intenções voltado para a criação de um Centro que viesse a abrigar estudos sobre segurança e que contemplasse um laboratório de eletrônica, comunicações e cibernética. Para dar respostas a tais desafios, foi criado o Centro de Estudos Avançados em Proteção de Estruturas Estratégicas (Ceape²), em fevereiro de 2015, constituído por instrumento de convênio entre a Itaipu e o Estado-Maior do Exército (EME), de 06 de março de 2014, publicado no DOU nº 63, de 02 de abril de 2014, que trata de intercâmbio de recursos técnicos e humanos envolvendo interesses mútuos nas áreas de engenharia, tecnologia da informação e comunicações, defesa cibernética,segurança, entre outras.

 

O Ceape² foi concebido para ser referência em soluções nas áreas de segurança, proteção e defesa de Estruturas Estratégicas, com uma estrutura capaz de prover soluções metodológicas, estruturais e sistêmicas, atuando em quatro vetores: Recursos Humanos, fomentando mentalidade de segurança de Infraestruturas Críticas; Cultura, estudo, desenvolvimento e elaboração de normas e metodologias; Inteligência, ao acompanhar a mudança de cenários e riscos; e Ciência, Tecnologia e Inovação, ao abrigar o Laboratório de Segurança Eletrônica, de Comunicações e Cibernética (Lasec²), tornando-se, assim, instrumento de gestão do conhecimento para a Itaipu e a Fundação PTI-BR, e referência para outras empresas do setor elétrico.

 

Parceiros formais: Itaipu Binacional, Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República, Marinha do Brasil, Exército Brasileiro, UnB, Unicamp e UFPR.

 

 

O Vetor Recursos Humanos é voltado para capacitar e especializar profissionais nas áreas de Proteção de Infraestruturas Críticas, de Segurança da Informação e de Defesa Cibernética, e também sensibilizar e colocar os temas de segurança, proteção e defesa em pauta na região de Itaipu.

 

IV Seminário Internacional de Defesa Cibernética / 2015

 

 

Painel de Segurança da Informação / 2016

 

 

Workshop de Desenvolvimento Seguro / 2016

 

 

Treinamento de Defesa Cibernética no Centro de Instrução de Guerra Eletrônica, em Brasília-DF / 2017

No Vetor Cultura, o objetivo é buscar referências nacionais e internacionais de políticas para Infraestruturas Críticas, de modo a se elaborar metodologias e construir parâmetros sobre os níveis de responsabilidade das empresas e do Estado, além de se agregar as boas práticas de segurança conhecidas e adotadas por empresas do setor elétrico do país.

 

Reunião de Trabalho com o Instituto Nacional de Tecnologia da Informação / 2015

 

 

Comitê Gestor de Segurança da Informação da Fundação PTI-BR

A área de inteligência atua no escopo operacional e estratégico, para definição de processos e de modelos de governança e acompanhamento de cenários, riscos, vulnerabilidades, ameaças e oportunidades que influenciam na segurança das infraestruturas críticas.

 

- Instalação de Terminal do Sistema de Comando e Controle Pacificador

- Acompanhamento de Cenários Cibernéticos com apoio do Exército Brasileiro

 

Extrato de Termo de Fomento para Implementação do Laboratório de Segurança Eletrônica, de Comunicação e Cibernética (Lasec²)

No âmbito da ciência, tecnologia e inovação, busca-se a articulação e o desenvolvimento de projetos de pesquisa científica e tecnológica, por meio da cooperação com instituições governamentais e de ensino voltadas a inovação e ao desenvolvimento de tecnologias, bem como a implantação e operação do Laboratório de Segurança Eletrônica de Comunicações e Cibernética (Lasec²), em parceria com o Exército Brasileiro.

 

- Implantação do Laboratório de Segurança Eletrônica de Comunicações e Cibernética (Lasec²)

- Capacitação e Instalação de Terminal do Simulador de Operações Cibernéticas (SIMOC)