Embrapa Florestas quer ampliar parceria com PTI para ações conjuntas

Embrapa Florestas quer ampliar parceria com PTI para ações conjuntas

18/12/2018

Na foto, o diretor superintendente do PTI, Jorge Augusto Callado (ao centro), com a equipe de chefes da Embrapa Florestas

 

O Parque Tecnológico Itaipu (PTI), referência em produção de tecnologias sustentáveis para o território no Oeste do Paraná, pode servir de modelo para projetos da Embrapa Florestas (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária), unidade de Colombo, para o desenvolvimento de pesquisas ligadas ao biogás e ao plantio direto. A direção da unidade quer ampliar as parcerias já existentes com o CIBiogás (Centro Internacional de Energias Renováveis) e a Itaipu Binacional, por meio dos projetos do PTI. 

 

O assunto foi debatido durante uma visita técnica dos representantes da Embrapa Florestas ao PTI, na semana passada. O diretor superintendente do Parque, Jorge Augusto Callado, recebeu a comitiva e defende a ampliação de uma parceria para projetos e pesquisas em conjunto, em favor da conservação do meio ambiente.

 

“A Embrapa Florestas caracteriza-se como uma instituição de excelência nas soluções de pesquisa do uso racional de recursos naturais, principalmente, a questão florestal. É importante essa parceria com o PTI para reforçar nossas missões”, avalia Callado.

 

Segundo o chefe-geral da Embrapa Florestas, Edson Tadeu Iede, a unidade atua de forma cooperativa com universidades, instituições estaduais de pesquisa, empresas de assistência técnica e de extensão rural, organizações não-governamentais, empresas e associações do setor privado, poder público, instituições internacionais, produtores e suas associações, e cooperativas no intuito de colaborar com o desenvolvimento do agronegócio florestal e para a sustentabilidade desse setor. Com a parceria do PTI, as pesquisas em energias renováveis e sistemas sustentáveis de produção ampliaria a atuação e o trabalho da Embrapa Florestas.

 

De acordo com Edson Iede, as tecnologias pesquisadas e disponibilizadas pela Embrapa Florestas estão voltadas para todas as fases do manejo florestal, tanto de espécies nativas quanto introduzidas, melhoramento genético, manejo de pragas, recuperação de áreas degradadas, sistemas agroflorestais, produtos não-madeireiros, monitoramento ambiental e temas mais recentes como florestas destinadas à produção de energia, mudanças climáticas, integração lavoura-pecuária-floresta e biotecnologia florestal.

 

Além da reunião, a comitiva da Embrapa Florestas visitou alguns espaços do PTI, como a Incubadora Santos Dumont, o Centro Latino-americano de tecnologias abertas (Celtab), o Centro Internacional de Hidroinformática (CIH), o Centro de estudos avançados em Segurança de Barragens (Ceasb) e a Planta do CIBiogás.