Francisco, certificado como PMP após sete meses de estudos

Francisco, certificado como PMP após sete meses de estudos

Depois de sete meses de uma rotina intensa de estudos, com apoio do Parque Tecnológico Itaipu (PTI), o colaborador Francisco Machado de Oliveira Neto, do Escritório de Gerenciamento de Projetos, conquistou a certificação de Profissional de Gerenciamento de Projetos (PMP). Em todo o Brasil, segundo o órgão certificador Project Management Institute (PMI), pouco mais de 18 mil pessoas possuem essa certificação, que é reconhecida internacionalmente.   

 

Francisco entrou no PTI em 2015, como monitor educacional da Estação Ciências, programa que promove a iniciação científica para crianças e adolescentes. Ao saber que o Escritório de Gerenciamento de Projetos, em parceria com o Educação e Cultura, ofertava um programa de formação, procurou a área para que pudesse compor a turma do curso, que tinha vagas limitadas.

 

A persistência de Francisco fez com que ele conquistasse a vaga. “Agarrei esta oportunidade, porque eu queria muito fazer este curso”, conta. Quando abriu uma vaga no Escritório, a equipe lembrou que o monitor educacional tinha se destacado na capacitação. Em setembro do ano passado, ele foi promovido à analista de projetos, para integrar a equipe do Escritório de Projetos. 

 

“O interesse pela certificação começou com o curso, mas, assim que eu entrei para o Escritório Gerenciamento de Projetos, comecei a estudar intensivamente para esta prova”, comenta Francisco. O PTI deu total apoio para esse esforço, e ele pôde dedicar uma hora de trabalho por dia aos estudos. 

 

Em casa, Francisco estudava mais três horas, todos os dias durante a semana. Aos finais de semana, estudava o dobro e, no caminho de bicicleta para o trabalho, ouvia as gravações dos pontos fracos e questões incorretas. “É como descansar estudando”, define. A preparação para a prova também envolveu a realização de um simulado de 200 questões por mês. Ao todo, foram quatro simulados no computador e centenas de questões dos livros. Ele conta que resolveu cerca de duas mil questões. 

 

Em termos de mercado de trabalho, Francisco explica que a certificação garante uma diferenciação profissional. Além de ser reconhecida internacionalmente, atesta que o colaborador possui competência técnica e experiência necessária para gerenciar grandes projetos, ressalta. No PTI, além de Francisco, as gerentes do EGP, Andréa Pavei Schmoeller, e da área de Controladoria, Fernanda Alves Fontana, também possuem a certificação. 

 

MATÉRIA COMPLETA NO SITE DO PTI.