Mini-cientistas apresentam trabalhos na FIciencias Kids

Mini-cientistas apresentam trabalhos na FIciencias Kids

07/11/2018

Pros ouvintes, as explicações dos mini-cientistas na Feira de Inovação das Ciências e Engenharias (FIciencias) Kids era encarada como uma ‘fofura só’, mas para os pequenos a tarefa foi levada a sério. Essa foi a primeira edição do evento, realizada na manhã desta quarta-feira (07) no Hotel Golden Park, e teve a participação de mais de 200 alunos da Educação Infantil e Ensino Fundamental I de Foz do Iguaçu.

Durante três meses, os professores tiveram o desafio de levar à sala de aula o método do ensino por investigação para os pequenos, após serem capacitados e orientados pela equipe do Estação Ciências, projeto do Parque Tecnológico Itaipu (PTI). Na 7ª edição da FIciencias, eles puderam expor os 36 trabalhos resultantes desse processo.

O diretor técnico do PTI, Claudio Issamy Osako, comentou que já estava feliz na abertura da FIciencias na terça-feira e ficou ainda mais ao ver o engajamento dos professores e crianças na FIciencias Kids. “Se depender do PTI esse evento vai acontecer para sempre”.

O gerente do Estação Ciências, Willbur Rogers de Souza, explica que a FIciencias Kids tem a intenção de estimular os professores que participam da capacitação, disponibilizando um espaço para que exponham os trabalhos desenvolvidos em sala de aula. “Outro objetivo é começar a construir desde cedo a cultura de um cidadão mais crítico através da ciência e da curiosidade”. Ainda segundo ele, a intenção é que em 2019 a feira dos pequenos seja estendida para os municípios que compõem a Associação dos Municípios do Oeste do Paraná (Amop).

O secretário municipal de Educação, Fernando Ferreira de Souza Lima, ressaltou que a FIciencias Kids dá visibilidade a uma atividade que acontece todos os dias “nos chãos das nossas escolas e nos chãos dos nossos CMEIS”.

 

 

Experiências

A professora Marcia Denise Teixeira da Luz, do Centro Municipal de Educação Infantil Soldadinho de Chumbo, teve que superar o medo de minhocas para fazer a pesquisa com os alunos. Depois de levar as crianças à horta, a professora conta que as crianças tiveram interesse em saber mais sobre os animais. Ela tinha receio, e os pequenos é que a acalmavam, conta. “Ela não tem dente para morder, professora”. A experiência, segundo Marcia, foi gratificante. “O empenho e a participação das crianças e dos professores foram fabulosos.”

Os gêmeos Vitor e Artur, 3 anos, e Naila, 3, do CMEI Soldadinho de Chumbo, mostraram aos visitantes da FIciencias como nasce uma borboleta. As professoras Maria Helena Ferreira e Juliana Koerich contaram que, a partir da capacitação do Estação Ciências, elas puderam fazer um trabalho diferenciado com os alunos, em que aprofundaram a pesquisa e os instigaram a pensar.

Os alunos do Escola Municipal Irio Manganelli descobriram a quantidade de açúcar existente nos refrigerantes, nos achocolatados e nos sucos e o mal que isso pode trazer: diabetes, obesidade e outros problemas de saúde. Era isso o que a o Davi, a Amanda, a Camile, a Talita, a Maikelly e a Laura estavam ensinando na Feira. O professor, Cleber Glen, contou que a tarefa do ensino por investigação foi “árdua”, mas gloriosa. “Eles aprenderam e começaram a aplicar na vida deles mesmo. A gente percebeu que os alunos do 5º ano que participaram do projeto diminuíram o consumo de bebidas com teor de açúcar durante o recreio”.