Osmar Gomes dos Santos e seu hobby de papear com as plantas

Osmar Gomes dos Santos e seu hobby de papear com as plantas

Aqueles que conhecem o Osmar Gomes dos Santos, da Assessoria de Segurança Empresarial do PTI, sabem que ele é bom de papo. Mas não imaginam que a prosa é tão boa que faz até planta crescer. É o que ele garante: apaixonado por jardinagem nas horas vagas, ele passa horas conversando com as cerca de 30 plantas que cultiva em sua casa e diz que essa atenção faz toda a diferença para que as “bichinhas” floresçam.

 

O interesse de Osmar pelas plantas começou quando ele ainda era “moleque”, mesmo sem influência alguma na família. “Eu plantava pé de rosa em casa e todo mundo admirava”, conta. Daí em diante, o interesse pelas plantas e o jardim de Osmar só cresceram. Tanto é que nunca quis saber de morar em apartamento para ter um espacinho para o cultivo. 

 

A família e os vizinhos de Osmar até estranham o falatório com as plantas, mas ele não se importa: quer mais é que as orquídeas, bromélias, pinheiro, dama da noite, graviola e as outras tantas cresçam saudáveis. “As plantas entendem se você conversa com elas. Não é simplesmente regar a bichinha e deixar lá. Se você não der carinho, ela não te dá retorno”. 

 

Já teve situação até de ele “dar ordem” para uma de suas bichinhas e ela acatar. Certa vez, Osmar viajou por 15 dias e ficou preocupado que uma palmeira pudesse derrubar folhas e causar um estrago no jardim. Antes de sair de casa, pediu “você não me deixe a folha cair até que eu volte”. Quando voltou, não apenas percebeu que nenhuma folha tinha caído, mas quando foi cuidar das plantas pegou na ponta da folha da palmeira e ela despencou. “Eu falo e as pessoas não acreditam. Nem eu acreditei”. 

 

E o relacionamento faz bem para os dois lados. Quando está estressado ou cansado, é no jardim que o Osmar encontra o sossego. “Não tem tempo ruim com flores. Você chega lá no meio e fica numa alegria, sorri à toa”. 

 

O Osmar deu um jeito de trazer a paixão dele pro trabalho. Primeiro, registrava com fotografias as paisagens do PTI, ambiente onde o que não falta é natureza e flores belas para os cliques. Era um dos principais atualizadores dos Olhares do Parque nas telas sociais do Parque. Daí passou à prática.  Segundo ele, é segredo (ou era, até agora), mas próximo ao Edifício das Águas tem três pés de abacate e um de limão que ele quem plantou. E ainda fica de olho sempre que tem alguma obra ou corte de grama que possam ameaçar as plantinhas. Já chegou até a pedir apoio da diretoria para garantir a segurança delas. 

 

Amor à primeira vista

 

Outra paixão de Osmar apareceu quando ele tinha 12 ou 13 anos de idade e foi amor à primeira vista. Estava em um casamento, quando o tio chegou com um Fusca azul. Dali em diante, tornou-se um objetivo comprar um carro daqueles. Quando teve a primeira oportunidade de comprar um carro, pensou na hora em um Fusca, mas não conseguiu convencer a esposa. 

 

Mas ele só adiou um pouco aquele sonho. Em 2015 finalmente adquiriu um Fusca branco, ano 1977. “Bem esgualepadinho, feinho”, descreve. Para deixar do jeito que queria, foram uns dois anos e um certo investimento, mas valeu a pena: agora, geralmente às sextas-feiras e aos finais de semana ele desfila com o possante. E até entrou para o Antigos Foz do Iguaçu, grupo de amantes de carros antigos.