Plataforma desenvolvida no PTI permite acesso em tempo real em veículos compartilhados

Plataforma desenvolvida no PTI permite acesso em tempo real em veículos compartilhados

27/08/2019

A plataforma utilizada para monitorar o compartilhamento de veículos elétricos na Itaipu Binacional, desenvolvida no Parque Tecnológico Itaipu (PTI), permite que os técnicos avaliem os níveis de emissões de dióxido de carbono (CO²) em relação aos carros a combustão. Em um ano e meio, a redução na emissão de CO² equivalente é de cerca de nove toneladas.

 

“Neste caso, nos baseamos na quilometragem que já foi rodada com os veículos elétricos e comparamos com os carros a combustão. Assim, conseguimos ter uma estimativa de emissões de CO² evitadas aqui na Itaipu”, explica o engenheiro eletricista, Helder Scherer, do projeto de Mobilidade Inteligente SmartMob, do Parque Tecnológico. O sistema foi implementado em março de 2018.

 

Esse cálculo é realizado por meio do sistema embarcado implantado nos 17 veículos compartilhados, também utilizados como rastreadores pela plataforma que faz a gestão da frota. Cada veículo possui placas de circuito impresso instaladas internamente, programadas para “conversar” com os veículos, autorizando o uso ou não. Essas placas têm comunicação com rede móvel, podendo enviar dados ao sistema em tempo real.

 

Na sala de monitoramento do sistema compartilhado, onde os técnicos acessam todos os dados dos veículos. Foto: Kiko Sierich

 

Os técnicos têm acesso diariamente aos dados referentes ao uso do veículo compartilhado - velocidade e autonomia, trajeto percorrido pelo motorista, tempo de uso, paradas realizadas, quilometragem e informações dos pontos de recarga elétrica, também conhecidos como Pontos de Mobilidade Inteligente (PMI).

 

Outro dado disponibilizado pelo sistema é que, nestes 18 meses da implementação do projeto, foram contabilizados mais de 27 mil quilômetros rodados apenas com os veículos compartilhados na Itaipu. Para o engenheiro que acompanha o monitoramento da frota, o compartilhamento é uma tendência e o modelo desenvolvido na Itaipu é uma referência para outras instituições.

 

“Percebemos que os colaboradores preferem utilizar os veículos compartilhados, que aqui são os veículos elétricos, para realizar tarefas e deslocamentos dentro da área da Itaipu”, comenta Scherer que acrescenta:

 

“O sistema de monitoramento dos veículos compartilhados pode servir de vitrine, como modelo para uso em outras empresas, e por municípios que queiram utilizar carros compartilhados, que já tenham uma frota de veículos, por exemplo. É o reflexo das cidades cada vez mais sustentáveis”.