Professores elogiam FIciencias como modelo de ensino científico para o futuro

Professores elogiam FIciencias como modelo de ensino científico para o futuro

07/11/2019

Os projetos voltados para a área de ciências sociais apresentados na 8ª FIciencias, Feira de Inovação das Ciências e Engenharias, realizada pelo Parque Tecnológico Itaipu (PTI) e a Itaipu Binacional, em parceria com universidades, chamaram a atenção de professores. “Aqui você não vê só trabalhos de física, química e biologia, mas projetos sociais e de filosofia, uma prova de que a feira é muito mais ampla”, disse a professora Regiane Castione, do colégio estadual Flávio Warken, de Foz do Iguaçu.

 

Ela participou de todas as edições e veio novamente este ano acompanhando três projetos do colégio que ela representa. “Vejo a FIciencias como uma oportunidade para nós, professores, incentivarmos nossos alunos dentro das escolas, e mostrar que com poucos recursos a gente têm condições de desenvolver verdadeiros trabalhos científicos, e muitas vezes, trabalhos em um nível de universidade. O aluno vem pra cá e vê uma porta para o futuro”, acrescenta a professora.

 

Em 2018, um conceito que despertou interesse do público, entre professores e alunos participantes, foi contar como o tema bullying pode ser trabalhado no ambiente escolar. Os alunos da professora Andreily Borba, do Colégio Sesi e Colégio Árabe de Foz do Iguaçu, desenvolveram uma pesquisa para identificar os principais lugares, dentro da escola, que o bullying é praticado. O projeto evoluiu e este ano, os alunos fizeram um manual de sugestões para combate a esta prática.

 

“Esse projeto mudou de fase, evoluiu e foi um grande incentivador na escola. A FIciencias é um evento que contribui para formação dos alunos, porque desperta várias habilidades neles. Eles ficam mais autoconfiantes, além de uma grande rede de contato que fazem durante a feira”, avalia Andreily.

 

Nesta edição, a FIciencias conta com 150 trabalhos, de colégios públicos e privados, de Foz do Iguaçu e região, e de alunos do Paraguai e da Argentina. Os projetos foram selecionados entre os mais de 360 inscritos para este ano.

 

Caminho para a criatividade

 

Para a professora Ana Clara Primak, de Guarapuava, a FIciencias permite ao aluno o contato com as novas tecnologias, que muitas vezes o aluno não têm a chance de trabalhar dentro da sala de aula. “Aqui eles têm contato com várias tecnologias, várias ideias e desenvolvimento de projetos, que muitas vezes nas aulas não são tão aproveitadas, com isso eles conseguem desenvolver mais a criatividade, e aprender dentro de um novo formato de conhecimento que o mercado de trabalho acaba exigindo hoje em dia”, pontua.

 

Assita o depoimento dos professores aqui.

 

Classificação

 

Os autores dos melhores trabalhos receberão prêmio em dinheiro, além de troféus, medalhas e passaportes para outras feiras semelhantes. A cerimônia de premiação e encerramento da FIciencias está marcada para esta sexta-feira (08), às 9h.

 

A Ficiencias é organizada pelo PTI, Itaipu, Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS), Universidade Estadual de Londrina (UEL), Universidade Estadual de Maringá (UEM), Universidade Estadual do Centro-Oeste (Unicentro), Universidade Federal da Integração Latino-Americana (Unila) e Universidade Tecnológica FEderal do Paraná (UTFPR), e este ano conta com patrocínio do Parque da Aves, Sanepar e Visit Iguassu.