Profissionais participam de capacitação para identificar carrapatos que transmitem febre maculosa

Profissionais participam de capacitação para identificar carrapatos que transmitem febre maculosa

24/03/2017

Carrapatos estrela, que podem ser infectados por bactérias que transmitem a febre maculosa, podem se abrigar em capivaras. Em Foz do Iguaçu, não foram diagnosticados casos da doença, mas, por uma iniciativa do Grupo de Trabalho Itaipu-Saúde (GT-Saúde) e do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ), profissionais da área de saúde estão sendo capacitados a identificar e monitorar os carrapatos existentes nas capivaras, espécie que é comum na região.

 

Os profissionais participaram de segunda a quarta-feira (20 a 22) de uma capacitação no Centro Universitário Dinâmico das Cataratas (UDC). O projeto é uma iniciativa do professor Rafael Felipe da Costa Vieira, da Universidade Federal do Paraná (UFPR), e tem como objetivo a implantação de um sistema de vigilância de carrapatos e doenças associadas na região da tríplice fronteira.

 

A coordenadora do GT-Saúde, Luciana Sartori, explica que o ambiente em Foz do Iguaçu é propício à infestação de carrapato. “A ideia é que os profissionais coletem e aprendam a identificar o carrapato estrela e, posteriormente, será analisado no Centro de Medicina Tropical se existem vírus circulantes nesses carrapatos”. Os profissionais fizeram a coleta em campo nas capivaras do Refúgio Biológico Bela Vista.

 

A capacitação teve apoio de professores da Universidade Federal da Integração Latino-Americana, da Universidade de São Paulo (USP) e da Universidade Federal de Uberlândia.