NUPHI

Núcleo de Pesquisa em Hidrogênio

O Núcleo de Pesquisa em Hidrogênio (NUPHI) do Parque Tecnológico Itaipu (PTI) é um dos resultados do convênio firmado com a Itaipu Binacional e a Eletrobras. 

 

Outro resultado desse convênio, executado entre anos de 2011 e 2016, foi a construção de um laboratório equipado para a realização de pesquisas nos diversos aspectos do hidrogênio. O espaço é compartilhado com professores e alunos, especialmente das universidades instaladas no PTI: Universidade da Integração Latino-Americana (Unila) e Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste). 

 

A partir desse convênio, também foi implementada uma Planta Experimental de Produção de Hidrogênio, que possibilita a análise de todo o ciclo de obtenção e aplicação desse gás, envolvendo a produção, purificação, compressão, armazenamento e posterior utilização em células a combustível ou combustão em mistura com outros combustíveis, como, por exemplo, o biometano. 

 

Atualmente, o NUPHI desenvolve projetos de pesquisa nas seguintes linhas de atuação:

 

  • Estudos técnico-científicos sobre eletrolisador alcalino.
  • Estudos e desenvolvimento de bancada experimental para realização de testes de desempenho de misturas de biometano e hidrogêni.
  • Desenvolvimento de membranas a base de quitosana para célula a combustível tipo PEM.

 

O PTI faz parte da Associação Brasileira do Hidrogênio (ABH2) e da Rede Paranaense de Pesquisa em Hidrogênio (SIMPHI). 

Os principais propósitos dos projetos desenvolvidos pelo NUPHI são:

 

• Proporcionar, no campo tecnológico, a pesquisa, desenvolvimento e inovação em equipamentos, métodos e processos, contribuindo com as parcerias nacionais e internacionais para o desenvolvimento da economia do Hidrogênio;

 

• Dominar a tecnologia de construção de eletrolisador alcalino;

 

• Gerar empresas de pequeno e médio porte que construam o eletrolisador alcalino no Brasil. 

 

Pensar em diversificar as fontes convencionais de energia e apostar em fontes renováveis deixou de ser uma tendência mundial e passou a ser uma necessidade. Como princípio básico, o Parque Tecnológico Itaipu (PTI) realiza pesquisas com compromisso sustentável, em projetos que tenham pouco ou nenhum impacto no meio ambiente, com a intenção de contribuir com a conservação dos recursos naturais. 

 

Segundo especialistas, as soluções de produção e armazenamento de energia devem incluir uma combinação de várias tecnologias integradas. Por meio da eletrólise alcalina da água, uma tecnologia ecologicamente correta, é obtido Hidrogênio de alta pureza, o qual pode ser utilizado em células a combustível tipo PEM, usadas no segmento de mobilidade elétrica. 

 

Há mais de um século esse tipo de produção vem sendo estudada técnica e cientificamente para fins militares, industriais e comerciais. Embora a produção de Hidrogênio por eletrólise alcalina da água represente aproximadamente 4% da produção mundial de Hidrogênio, essa tecnologia é a mais indicada para armazenar o excedente de fontes renováveis, tais como: eólica, fotovoltaica e hidroelétrica. 

 

Os estudos realizados pelo Núcleo de Pesquisa em Hidrogênio do PTI (NUPHI) têm como objetivo propor soluções técnicas para que a produção de Hidrogênio eletrolítico se torne viável economicamente no Brasil.